Os Açores registaram hoje um aumento no número de casos de covid-19, com 12 novos doentes diagnosticados nas últimas 24 horas, sendo oito em São Miguel e quatro no Pico, resultantes de 1.761 análises.

Na segunda e na terça-feira tinham sido diagnosticados, em cada um dos dias, dois novos casos de covid-19.

Hoje, no seu boletim diário, a Autoridade de Saúde dos Açores dá conta de 12 novos casos de covid-19, nas últimas 24 horas, sendo que, em São Miguel, foram diagnosticados sete na vila de Rabo de Peixe (que se mantém em cerca sanitária) e um na Matriz, ambos no concelho da Ribeira Grande, e todos casos resultantes de transmissão comunitária.

No Pico há quatro novos casos, um nas Lajes, outro na Madalena e dois em São Roque, segundo a Autoridade de Saúde dos Açores, informando que, “destes, três pertencem a uma cadeia anteriormente identificada e um diz respeito a um viajante, residente, com teste positivo ao 12.º dia”.

Nas últimas 24 horas há ainda o registo da recuperação de seis doentes: cinco em São Miguel e um na Terceira.

Quanto ao número de internados, mantêm-se igual com sete pessoas atualmente hospitalizadas nos Açores com covid-19.

No Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, continuam internadas cinco pessoas com covid-19, duas das quais na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI).

No Hospital do Santo Espírito, da Terceira, continuam duas pessoas internadas, uma das quais em UCI.

Assim, os Açores contam agora com 83 casos positivos ativos de covid-19.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados 3.799 casos positivos na região, 3.583 pessoas recuperaram da infeção e registaram-se 29 óbitos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.419.730 mortos no mundo, resultantes de mais de 109,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.649 pessoas dos 790.885 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados