Os Açores registam, nas últimas 24 horas, um novo caso de covid-19, que deu origem a uma cadeia de transmissão secundária na ilha de São Miguel, e duas recuperações, informou hoje a Autoridade de Saúde Regional.

As 868 análises realizadas nas últimas 24 horas na região revelaram um novo caso positivo de infeção pelo novo coronavírus, que diz respeito a uma mulher de 31 anos, que é “contacto próximo de alto risco de um dos casos positivos da cadeia de transmissão identificada em São Miguel”.

O caso em questão já tinha testado negativo em 10 de agosto, mas “desenvolveu e apresentou sintomatologia ao longo da última semana, que levou à repetição do teste, tendo ontem [domingo] obtido resultado positivo”, esclarece a Autoridade de Saúde Regional, garantindo que, “desde que foi identificado como contacto próximo de alto risco, permaneceu em isolamento profilático, evitando, assim, a disseminação e propagação do vírus”.

Com este diagnóstico, “é registada uma cadeia de transmissão secundária na ilha de São Miguel”.

A paciente “apresenta situação clínica estável e foram já diligenciados, pela Delegação de Saúde Concelhia, os procedimentos definidos para caso confirmado, testagem e vigilância de contactos próximos”, adianta o comunicado.

A Autoridade de Saúde Regional registou ainda duas recuperações, de um homem com 51 anos de idade e uma mulher com 44 anos.

Desde o início do surto, foram diagnosticados na região 195 casos de infeção pelo novo coronavírus, dos quais 22 mantêm-se ativos (21 em São Miguel e um na Terceira).

Com as duas recuperações registadas hoje, o arquipélago soma 146 recuperados e 16 mortes, todas em São Miguel.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 770.429 mortos e infetou mais de 21,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.779 pessoas das 54.234 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados