Os Açores registam hoje um novo caso positivo de covid-19, na ilha de São Miguel, e mais 11 casos de recuperação de infeção do novo coronavírus, informa a Autoridade de Saúde Regional.

Em comunicado, a entidade adianta que foi diagnosticado um caso positivo de covid-19 na ilha de São Miguel, decorrente das 396 análises realizadas nas últimas 24 horas nos dois laboratórios de referência da região (em São Miguel e na Terceira).

O caso foi diagnosticado no lar de idosos do Nordeste e reporta-se a um homem de 23 anos, ainda de acordo com a Autoridade de Saúde açoriana.

Na sequência das várias mortes e dos vários casos de infeção que têm surgido naquele lar, a Autoridade de Saúde dos Açores ordenou hoje o encerramento daquela instituição.

Na passada sexta-feira, e após terem surgido mais quatro casos de infeção no lar, o Conselho do Governo dos Açores decidiu prorrogar a declaração do estado de calamidade pública naquele concelho, mantendo a cerca sanitária até às 00:00 de 18 de maio.

O Nordeste é o único concelho de Portugal que tem neste momento em vigor uma cerca sanitária.

Nos Açores, há ainda a registar no dia de hoje 11 casos de recuperação da doença: seis mulheres com idades compreendidas entre os 56 e 92 anos, residentes na ilha de São Miguel e na ilha Graciosa, e cinco homens entre 49 e 91 anos, residentes na ilha de São Miguel e na ilha Graciosa.

Até ao momento, já foi detetado na região um total de 144 casos, verificando-se 64 recuperados, 14 óbitos e 66 casos positivos ativos para infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, sendo 50 em São Miguel, dois na ilha Terceira, dois na Graciosa, dois em São Jorge, cinco no Pico e cinco no Faial.

As medidas de prevenção e contenção da pandemia devem ser mantidas e reforçadas, sempre que possível, por cidadãos e organizações públicas, privadas e do setor social, reitera o comunicado diário da Autoridade de Saúde dos Açores.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 251 mil mortos e infetou quase 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados