Em dia de regresso progressivo à atividade, para bares, restaurantes e similares do Grupo Central, depois de fortes restrições causadas pela infeção pelo novo coronavírus Covid-19, a Câmara Municipal da Horta quer devolver confiança aos consumidores do Faial e trazer tranquilidade e vida ao setor.

Nesse contexto, no âmbito do Fundo de Dinamização Empresarial, o Presidente da Câmara Municipal da Horta pretende que, excecionalmente e até 31 de dezembro, os restaurantes que cumpram os requisitos sanitários e demais legislação em vigor, possam não só proceder à instalação de esplanadas como também ser isentados do seu pagamento.
A medida sobrepõe-se à já aprovada pela Câmara Municipal, no passado dia 3 de maio, e que previa uma isenção a vigorar só até 30 de junho, sendo encarada a medida ora anunciada como aquela que dá mais tempo aos restaurantes e bares para se adaptarem às regras em vigor e permitir a necessária retoma económica.
Por outro lado, explica José Leonardo Silva, Presidente da Câmara Municipal da Horta, “o uso das esplanadas, nesta fase, pode contribuir para uma maior segurança a quem queira frequentar os espaços, mas ainda tem alguns receios, pois passa a estar num espaço ao ar livre e não confinado, sujeito a arejamento”.
“Sabemos que este setor é muito sensível e que, neste período de Verão, tinha no turismo, um grande nicho de receita. Com as restrições e quebras também neste mercado, teremos de iniciar a retoma justamente pelo mercado interno, enquanto não é possível uma maior dinamização do Turismo com proveniência no exterior”, salientou o autarca.
Para acesso a este conjunto de medidas, os empresários deverão apresentar e instruir o seu requerimento, junto dos serviços da Câmara Municipal, para que possa ser aferido e garantido o cumprimento das exigências legais em vigor quanto ao acesso ao uso de esplanada, numa medida que tem caráter excecional e vigorará até 31 de dezembro de 2020.

CMH/Rádio Faial | Foto: CMH