O Governo dos Açores está hoje a avaliar os danos registados na aerogare da ilha Graciosa após um incêndio registado no local no domingo, mas desde já se sabe que a operação de transporte não será afetada.

“Ainda estamos em fase de avaliação dos danos”, disse hoje a secretária do executivo com a tutela dos Transportes e Obras Públicas, Ana Cunha.

OS técnicos de gestão de aeródromos da SATA vão de tarde para a ilha, mas desde já é sabido que o fogo afetou somente a zona de cargas, deixando a “zona de passageiros intacta”.

Terão sido destruídas “algumas portas de acesso” para os bombeiros chegarem ao incêndio, “mas nada que inviabilize a operação do aeródromo”, assegurou a governante.

Questionada sobre a causa do fogo, a governante foi perentória: “É completamente prematuro avançar-se com qualquer causa. Não sabemos. O seguro já foi acionado e fará deslocar para a ilha os seus peritos para determinarem a causa do incêndio”.

Um incêndio afetou no domingo à noite a aerogare da ilha açoriana da Graciosa.

O fogo, que chegou a ter uma “dimensão considerável”, disse fonte da Proteção Civil açoriana à agência Lusa, atingiu a zona das cargas, não chegando à parte dos passageiros nem à torre de controlo.

Não houve vítimas a registar e apenas um bombeiro terá inalado fumo, mas a sua situação está estabilizada, disse hoje a secretária regional Ana Cunha.

A Proteção Civil indicou que o alerta do incêndio chegou pelas 20:23 locais (21:23 em Lisboa).

No local estiveram seis viaturas e 24 operacionais.

A ilha Graciosa, no grupo central dos Açores, é uma das mais pequenas do arquipélago.

Atualmente, e devido à pandemia de covid-19, não estão a ser efetuadas ligações pela SATA entre as diversas ilhas açorianas, excetuando casos de força maior ou voos de transporte de carga.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados