O Governo Regional dos Açores vai deixar, a partir do dia 08 de maio, de suportar os custos das quarentenas obrigatórias dos não residentes que chegam ao arquipélago, e que têm de as cumprir num hotel, foi hoje revelado.

“Mantemos todas as regras da quarentena, com uma alteração a partir de 08 de maio, em que a região assume os custos com a quarentena dos residentes, mas os não residentes assumem os custos com a sua quarentena”, declarou hoje, em conferência de imprensa, o presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro.

No final de março, o Governo dos Açores tinha decretado que quem chegasse à região teria de cumprir confinamento obrigatório, por 14 dias, em unidades hoteleiras, uma medida de contenção da pandemia.

A Azores Airlines – do grupo SATA – e a Ryanair não estão a operar para os Açores, mas a TAP nunca deixou de voar para a região, mantendo ainda duas ligações semanais para São Miguel e uma para a Terceira.

Os passageiros que aterram na região são forçados a assinar um termo de responsabilidade, comprometendo-se a ficar em quarentena durante 14 dias num hotel em São Miguel ou na Terceira, consoante a ilha onde aterram.

O presidente do Governo dos Açores apresentou hoje as medidas para as próximas semanas na região, dividindo-as entre quatro blocos: um referente a Santa Maria, Flores e Corvo, sem casos registados desde o começo da pandemia, outra para São Miguel, a ilha com maior número de infetados e a única com registo de mortes (13), mas que tem cadeias de transmissão identificadas e restritas, outro para a Graciosa, há 12 dias sem casos novos, e uma última para Pico, Faial, São Jorge e Terceira, quase todas há 28 dias sem novos infetados (o Pico chegará a este número na terça-feira).

Em todos os blocos são dadas orientações aos serviços de saúde para uma “atuação urgente” na recuperação “do serviço aos utentes de diversas patologias” que não a covid-19.

As datas de reabertura de espaços têm variações entre os quatro blocos, com Santa Maria, Flores e Corvo a serem os primeiros a poderem retomar algumas atividades, seguindo-se os dois blocos referentes às ilhas do grupo central (o bloco da Graciosa e o do Pico, Faial, São Jorge e Terceira) e cabendo a São Miguel a reabertura mais tardia de diversos equipamentos e unidades, casos de bares, bibliotecas, monumentos naturais ou museus.

As ligações aéreas entre as diversas ilhas estarão ainda inativas, bem como as referentes ao transporte marítimo, excetuando a ligação entre a ilha das Flores e do Corvo.

Também é globalmente recomendado o uso de máscara social “em todas as situações de deslocação na via pública ou em transportes públicos”.

Desde o início do surto foram confirmados 138 casos da covid-19 nos Açores, 80 dos quais atualmente ativos, tendo ocorrido 45 recuperações (27 em São Miguel, oito na Terceira, cinco em São Jorge e cinco no Pico) e 13 mortes (em São Miguel).

Lusa/Rádio Faial | Foto: Eduardo Resendes