O mau tempo deverá manter-se até sábado nas ilhas dos grupos central e oriental dos Açores, devido à depressão Lola, embora se comece a verificar uma melhoria gradual das condições meteorológicas.

Segundo adiantou hoje à agência Lusa a meteorologista Rita Mota, da delegação dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), embora se note “uma melhoria gradual do tempo”, o grupo ocidental (Flores e Corvo) “mantém até ao final da manhã de hoje avisos amarelos devido ao vento e agitação marítima, com ondas de seis a sete metros”.

Para o grupo central (Terceira, Pico, São Jorge, Graciosa e Faial) foi emitido aviso amarelo de vento e agitação marítima até às 10:00 locais de sábado (11 em Lisboa), prevendo-se a partir daí uma melhoria gradual do tempo.

A meteorologista acrescentou, no entanto, que, no caso das ilhas do grupo oriental (São Miguel e Santa Maria), as previsões de agitação marítima, com ondas entre os seis e sete metros, mantêm-se até às 10:00 locais da manhã de sábado, com aviso amarelo meteorológico.

Mas, o aviso amarelo de vento “estende-se até ao final do dia de sábado” em São Miguel e Santa Maria, disse.

“Ainda estão previstas algumas rajadas que podem atingir os 90 quilómetros por hora em especial na zona leste nordeste de São Miguel”, explicou Rita Mota, referindo que essas condições meteorológicas são ainda efeitos da “passagem da depressão Lola”.

O aviso amarelo é o segundo menos grave de uma escala de quatro e é emitido quando o estado do tempo representa uma “situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

A Proteção Civil dos Açores recomenda, em comunicado, que sejam tomadas medidas de autoproteção para estas situações meteorológicas.

Contactada pela Lusa, fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) disse não haver registo durante a madrugada e manhã de hoje de quaisquer ocorrências nos Açores.

Na quinta-feira, a depressão Lola provocou 16 ocorrências na região, sendo seis em São Miguel, seis na Terceira, duas em São Jorge e duas no Faial, e levou ao encerramento da Avenida do Mar, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, via que ainda se mantém encerrada à circulação por precaução.

As ocorrências estiveram relacionadas, sobretudo, com queda de árvores e queda/danos de estruturas, nomeadamente postes, cabos, candeeiros e telhas.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados