O presidente do Governo dos Açores, o social-democrata José Manuel Bolieiro, disse hoje esperar que as verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) sejam “rapidamente disponibilizadas” à região, para serem uma “bazuca” para as economias das ilhas.

“Esperamos que as verbas do PRR sejam rapidamente disponibilizadas aos Açores, de modo a que possam efetivamente ser a referida bazuca para as nossas empresas e economias de cada uma das nossas ilhas”, declarou Bolieiro.

José Manuel Bolieiro, que falava no final do debate do Plano e Orçamento dos Açores para 2021, que decorreu esta semana na cidade da Horta, no Faial, considerou que existem “aspetos a corrigir” no PRR, mas destacou a importância de não atrasar o processo.

“Se é certo que ainda existem alguns aspetos a corrigir e a melhorar, também não quisemos atrasar a estratégia de Portugal, porque assim somos o primeiro Estado membro com o seu processo de candidatura concluído e entregue”, apontou.

Bolieiro apelou ainda aos deputados para que sejam “parceiros” na “monitorização” e na “execução” do PRR na região, “sob a forma regimental que considerem mais adequada”.

“Esta parceria é para nós fundamental, porque estamos a tratar de questões estruturantes para os Açores, pelo que importa serem de consenso o mais alargado possível”, assinalou o social-democrata.

Ao longo do discurso, José Manuel Bolieiro citou expressões de deputados de todas as bancadas do parlamento regional e de todos os membros do executivo açoriano e enalteceu algumas medidas inseridas no Plano e Orçamento, como a redução fiscal ou a inclusão da tarifa a 60 euros para voos interilhas para os residentes.

Bolieiro realçou ainda que a “estratégia de combate à pobreza” na região irá passar pela “dinamização da economia” e pela “promoção da inclusão social e laboral”.

Segundo o chefe do executivo açoriano, essa estratégia irá permitir “reduzir até ao final da legislatura, através da inserção social e laboral o número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção”.

O presidente do Governo dos Açores salientou igualmente a importância da aprovação do Plano e Orçamento para 2021 para que o executivo fique na “plenitude executiva” de funções.

“Recordo que, apesar do muito que foi feito nestes últimos cinco meses, temos vivido com duodécimos, o que, apesar de tudo, limita, naturalmente, a nossa ação”, sublinhou.

 Este são os primeiros Plano e Orçamento do Governo Regional liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro.

O Governo dos Açores, de coligação PSD/CDS-PP/PPM, é suportado no parlamento pelos partidos que integram o executivo e pela Iniciativa Liberal e pelo Chega.

Portugal entregou hoje o PRR à Comissão Europeia, através da plataforma informática oficial, tornando-se o primeiro Estado-membro da União Europeia a enviar a versão final.

O documento prevê projetos de 16,6 mil milhões de euros, dos quais 13,9 mil milhões de euros dizem respeito a subvenções a fundo perdido. O Governo diz ter ainda “em aberto” a possibilidade de recorrer a um valor adicional de 2.300 milhões de euros em empréstimos.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados