Os passageiros que se encontrem numa ilha dos Açores que não seja a do seu destino final deixam de estar obrigados a seguir viagem até 24 horas após a sua chegada, foi hoje anunciado pelo presidente do Governo Regional.

Vasco Cordeiro explicou que, ao abrigo do contrato de prestação de serviço público em vigor entre a região e o grupo SATA, no âmbito dos encaminhamentos interilhas, “o passageiro com destino a outras ilhas, chegado a uma destas, do arquipélago, que não a sua ilha de destino final, tinha de seguir viagem pelo período máximo de 24 horas”, o que deixa de acontecer com base na alteração de uma cláusula.

O líder do executivo açoriano falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, na sequência de uma reunião de trabalho presencial, e por videoconferência, com as direções sindicais regionais da CGTP e UGT.

Segundo Vasco Cordeiro, a decisão, tomada hoje, em Conselho do Governo, surge na sequência de ter sido detetado que esta medida “não estava conforme com as necessidades impostas por razões de saúde pública”, uma vez que um passageiro em quarentena “não conseguia seguir viagem nas 24 horas” que eram impostas.

Para o chefe do executivo, os passageiros “deixam dessa forma de ser prejudicados”, sendo que a medida tem efeitos retroativos a 19 de março em relação a reembolsos, no caso dos passageiros que se viram obrigados a permanecer mais de 24 horas na ‘gateway’ de entrada na Região e assumiram os custos do seu encaminhamento.

Quarta-feira, Vasco Cordeiro anunciou que os passageiros que desembarcam nos Açores vão ser dispensados de permanecer em isolamento profilático ou de realizar quarentena caso testem negativo à covid-19.

“Com a maior consciência que existe, e que nós acreditamos que neste momento existe do ponto de vista dos cuidados que se deve ter nessa situação, essa [a quarentena e o isolamento profilático] deixa de ser uma exigência”, disse Vasco Cordeiro hoje, no Palácio de Sant’Ana, em Ponta Delgada, depois de reunir-se com as Câmaras do Comércio da região e com a Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas dos Açores (AICOPA).

Oito das nove ilhas dos Açores já não têm qualquer caso positivo ativo de infeção por SARS-CoV-2 e apenas São Miguel tem ainda dois doentes por recuperar, segundo avançou hoje a Autoridade de Saúde Regional.

Até ao momento, já foram detetados na região um total de 146 casos de infeção, verificando-se 128 recuperados, 16 óbitos e dois casos positivos ativos para infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, ambos na ilha de São Miguel.

Portugal contabiliza 1.369 mortos associados à covid-19 em 31.596 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado hoje.

Relativamente ao dia anterior, há mais 13 mortos (+1%) e mais 304 casos de infeção (+1%).

Lusa/Rádio Faial | Foto: GaCS