A deputada do PSD/Açores Ana Quental apelou hoje à “responsabilidade coletiva” no combate à covid-19 e reconheceu que as medidas anunciadas hoje pelo Governo Regional são “duras e difíceis”, mas elogiou a “ação firme” do executivo.

“Além das medidas implementadas pelo Governo Regional, é essencial que haja uma responsabilidade coletiva que permita travar o crescimento da pandemia na nossa região. É fundamental que os cidadãos, as instituições da sociedade civil e todos os agentes políticos atuem com responsabilidade”, afirmou a deputada, citada em nota de imprensa.

Para a social-democrata açoriana, “as medidas duras e difíceis agora tomadas pelo Governo Regional são indispensáveis para conter a pandemia nos Açores, nomeadamente na ilha de São Miguel”.

Na opinião de Ana Quental, o executivo “mantém assim a ação firme demonstrada desde que tomou posse, tomando as medidas adequadas a cada momento” e “as medidas mais restritivas agora anunciadas são, sem dúvida, as mais adequadas ao momento atual”.

“Este é mais um teste à capacidade de resistência e superação do povo açoriano. Este é o tempo de todos nos concentrarmos no objetivo de conter a pandemia. Não devemos consumirmo-nos com discussões políticas sem sentido, mas sim reunir todas as nossas forças no combate à pandemia”, defendeu.

Foram hoje anunciadas várias medidas de contenção da transmissão de covid-19 na ilha de São Miguel, que incluem o encerramento de todos os estabelecimentos escolares, limitação de ajuntamentos na via pública a quatro pessoas e o encerramento de cafés e restaurantes às 15:00, mantendo serviço de entrega ao domicílio ou ‘take-away’.

Está também proibida a circulação entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana e a partir das 15:00 ao fim de semana.

O comércio local e centros comerciais devem encerrar às 20:00.

Por outro lado, haverá “obrigatoriedade de teletrabalho, sempre que as funções e a atividade o permitam” para pessoas com mais de 60 anos ou que tenham determinadas patologias e, no caso de não ser possível, será obrigatório o “desfasamento de horário”.

As medidas vão vigorar durante o período do novo estado de emergência, até 15 de janeiro, e serão aplicadas apenas à ilha de São Miguel, onde se têm registado mais casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Os Açores têm atualmente 564 casos positivos ativos de infeção, dos quais 519 na ilha de São Miguel, 39 na ilha Terceira, três na ilha das Flores e três na ilha do Faial.

Desde o início do surto foram detetados 2.346 casos, tendo-se registado 22 óbitos e 1.666 recuperações.

Lusa/Rádio Faial | Foto: PSD-A