O vice-presidente do Governo dos Açores, Artur Lima, testou positivo num teste ao novo coronavírus SARS-CoV-2, mas encontra-se “assintomático” e “bem”, segundo declarou à agência Lusa.

Na sequência de uma informação divulgada pelo gabinete de imprensa do executivo, Artur Lima referiu à Lusa que, no regresso à ilha Terceira, onde vive, de um compromisso oficial na ilha de São Miguel, onde existe transmissão comunitária, sentiu um “ligeiro cansaço” e “ligeira febre”, tendo tomado a iniciativa de realizar o teste, a par de sua mulher, que também acusou positivo.

Na nota de imprensa do executivo açoriano, refere-se que “o vice-presidente do Governo Regional dos Açores, Artur Lima, realizou teste de despiste à covid-19 e, embora assintomático, teve resultado positivo”, sendo que, “neste momento, decorre o inquérito epidemiológico a todos os contactos classificados como de alto risco do vice-presidente”

Artur Lima, que é líder do CDS-PP nos Açores, encontra-se em “isolamento profilático na sua residência, tendo cancelado toda a agenda para os próximos dias”.

A Autoridade de Saúde dos Açores registou nas últimas 24 horas 45 novos casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, resultantes de 1.106 análises realizadas, foi hoje anunciado.

A ilha de São Miguel, a mais populosa dos Açores e mais afetada pela pandemia, registou 43 casos, “todos em contexto de transmissão comunitária”, enquanto a ilha Terceira, a segunda mais populosa e que ocupa a segunda posição em número de infetados, registou dois casos de “residentes com histórico de viagem e análise positiva ao sexto dia”.

Na ilha de São Miguel, entre outras medidas restritivas adotadas pelo Governo dos Açores, estão em vigor duas cercas sanitárias nas freguesias de Rabo de Peixe, no concelho da Ribeira Grande, e de Ponta Garça, no concelho de Vila Franca do Campo.

Com a implementação das cercas, que vigorarão até 22 de janeiro, fica proibida a circulação e permanência na via pública e é determinado o encerramento dos estabelecimentos de ensino, de restauração, bebidas, similares e cafés e o cancelamento de todos os eventos culturais ou de convívio social alargado.

Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa/Rádio Faial | Foto: Direitos Reservados